Exibir Ação

Campus:
CAMPUS TAUA
Tipo da Ação:
Evento
Título:
I Semana do Orgulho LGBTQIA+ do Campus Tauá
Área Temática:
Direitos Humanos e Justiça
Linha de Extensão:
Grupos em situação de vulnerabilidade social
Data de Início:
28/07/2021
Previsão de Fim:
30/07/2021
Nº mínimo de pessoas beneficiadas:
1
Nº máximo de pessoas beneficiadas:
100
Carga Horária de Execução do Evento:
16
Local de Atuação:
Urbano
Fomento:
-
Programa Institucional
-
Modelo de Oferta da Atividade:
Online
Formas de Avaliação:
Seminário
Pesquisa de Satisfação
Participação
Frequência
Debate
Formas de Divulgação:
Site institucional
Sistema acadêmico
Redes sociais
Atividades Realizadas:
Oficina
Espetáculo
Ciclo de Debates
Apresentação
Nome do Responsável:
Carlos Getulio de Freitas Maia
Equipe:
Nome Instituição Categoria Vínculo Receberá bolsa? Horas Semanais Dedicadas Início da Participação Fim da Participação
Carlos Getulio de Freitas Maia IFCE Coordenador Docente IFCE Não 1 28/07/2021 30/07/2021
Parcerias:
Instituição Parceira Parceria Formalizada? Instrumento Utilizado Número do Instrumento
UECE Não
Orçamento:
Conta Valor
Passagens e Despesas com Locomoção 0,00
Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica 0,00
Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física 0,00
Material de Consumo 0,00
Equipamento e Material Permanente 0,00
Encargos Patronais 0,00
Diárias - Pessoal Civil 0,00
Bolsa - Auxílio Financeiro a Pesquisadores 0,00
Bolsa - Auxílio Financeiro a Estudantes 0,00
Vínculos:
Ação Tipo
Apresentação
A Semana do Orgulho LGBTQIA+ é pensada no contexto das celebrações de Junho, mês internacional da diversidade sexual e de gênero, que comemora os direitos civis e a existência de lésbicas, gay, bissexuais, transgêneros, travestis e transexuais, queer, intersexuais, assexuais e toda forma de subjetividade que expresse o afeto e a pertença dessas pessoas e grupos. Assim, o IFCE entende sua função cirúrgica na produção de conhecimento e inovação para a sociedade que o fomenta, no sentido de que o instituto possui o pessoal e as ferramentas para a conscientização e aprofundamento desse tema tão sensível no Brasil, país que mais mata seus LGBTQIA+s. Uma das missões do IFCE é tornar seu alunado um grupo de cidadãos e cidadãs críticos, com pensamento autônomo e atento à universalidade dos problemas no local e à localidade dos problemas na comunidade global. Assim, é de interesse desse mesmo alunado como do corpo docente e de técnicos administrativos, grupos em que os LGBTQIA+s estão presentes e sucetíveis às dinâmicas de violência, apagamento e coerção da sociedade hetero-cis-normativa. Não se está a dizer que os LGBTQIA+s se vitimizam perante a sociedade, mas sim de que a própria organização e aculturação dessa sociedade, muitas vezes e sem os devidos procedimentos de conhecimento, levam os LGBTQIA+s à situações de vexação, vergonha, isolamento, ideação suicida, cinismo perante os valores tradicionais e desinteresse nas dinâmicas sociais. Afinal, como esperar de sujeitos violentados verbal e simbolicamente, e muitas vezes, fisicamente, uma recepção saudável dos caminhos socialmente impostos pela cultura? Dessa forma, os LGBTQIA+ se organizaram historicamente e formaram seus próprios bolsões de autocuidado e rede de apoio, em meio a uma sociedade cada vez mais descontente com o questionamento de seus valores, muitas vezes, não interiorizados. Esse quadro de violência sistêmica e de hipocrisia social leva os LGBTQIA+ a ser grupo de risco nos campos da saúde mental, da vida social e da violência urbana e rural. As Semanas do Orgulho LGBTQIA+s, propostas no contexto do IFCE, são uma maneira de dar uma resposta universitária e científica a esse problema que afeta o campus e a sociedade – a LGBTQIA+fobia e toda forma de alienação que a sociedade hétero-cis-normativa impõe a esse grupo de risco. Assim, a nossa Semana IFCEana do Orgulho LGBTQIA+ acontece no contexto das inovações científicas e culturais que o nosso grau de expertise possibilita oferecer à nossa sociedade. Cabe sempre lembrar que o IFCE é financiado pelos impostos de cidadãos e cidadãs que, em sua maioria esmagadora, não terão a oportunidade de frequentar seus cursos. Dessa forma, enquanto extensão e pesquisa, essa Semana pode devolver um pouco do tanto que recebe dessa sociedade.
Justificativa
É mais que sabido que a sociedade brasileira passa por uma endemia de violência lgbtqia+fóbica, em que formas simbólicas, verbais, psicológicas e físicas de violência tornam a vida de uma parcela da população muito difícil, quando não impossível. O conceito de inovação científica, quando levado para o campo das ciências humanas, torna possível imaginar e desenhar processos que respondam a problemas sociais de forma a oferecer perspectivas de solução. É o caso, por exemplo, de cursos pré-universitários especializados para pessoas transgênero, transexuais e travestis, notoriamente grupo de risco de evasão escolar nos anos do ensino fundamental e médio. Quando, assim, a oportunidade de facilitar a entrada dessas pessoas na universidade é ofertada por um grupo capaz de o fazer, parte o ciclo ou o ciclo de pobreza ligada ao abandono e à não-qualificação profissional, é quebrado. Tratou=se, ali, de uma inovação afirmativa para a sociedade. Entende-se também que as semanas de visibilidade e campanhas de conscientização são úteis, exatamente, para comunicar a violência que muitas vezes acontece de forma velada. A ciência por detrás disso passa pela sociologia, pela antropologia e pelos estudos culturais e de saúde pública. O IFCE não deve se furtar a responder a um problema social que atinge diretamente o corpo das pessoas, e se torna um problema de direitos humanos universais porque os LGBTQIA+ são humanos e as violações universais a seus direitos básicos acontece na materialidade do seu corpo, sua felicidade, sua saúde mental e socio-econômica. Dessa forma, realizar uma Semana de extensão que é, ao mesmo tempo, a celebração de sua existência e a reivindicação por si, é uma maneira notável de inserir as capacidades técnicas e humanas do IFCE no cerne desse problema.
Público Alvo
Sociedade civil, grupos de direitos humanos, grupos de defesa da criança e do adolescente.
Objetivo Geral
Conscientizar a sociedade tauaense e do entorno sobre a causa LGBTQIA+ Chamar a atenção para a saúde pública enquanto nicho das políticas públicas voltadas para pessoas LGBTQIA+. Celebrar a existência e a resistência de pessoas LGBTQIA+ no campus, na cidade e no Sertão do Inhamuns.
Objetivo Específico
Produzir extensão voltada para pessoas LGBTQIA+ a partir das ferramentas disponíveis no IFCE, tanto técnicas quanto humanas. Gerar conteúdo voltado para pessoas LGBTQIA+ a partir de produção científica e acadêmica. Expor palestrar, realizar minicursos e oficinas voltadas ao tema.
Metodologia
A semana será realizada com as falas de convidados e convidadas cuja expertise nos temas propostos em eixos temáticos singulares (Educação, Saúde e Cultura) permite com que essa abordagem seja instrutiva, conscientizadora e sensibilizadora para a causa de uma minoria social que celebra sua existência no mês de junho.